Sobre ser artista de si


Faz pouco que tenho me sentido de fato confortável com esse nome: artista.

Nunca pensei que um dia levaria a sério essa coisa de ser artista. Quando criança sabia bem que meu sonho era ser artista plástica. Poucas coisas me satisfaziam tanto quanto entrar na sala de artes e sentir aquele cheiro de tinta acrílica, ou ir pra aula de música tocar flauta. Muitas foram as vezes que pedi a meu pai pra fazer aulas de desenho, mas mesmo assim pude fazer dança, teatro, música e outras atividades que tinha no colégio.

Faz pouco que tenho me sentido de fato confortável com esse nome: artista.

Na verdade não gosto de me definir assim, dentro de mim essa palavra parece ter quase uma seriedade, e eu não sei se me levo a sério o suficiente pra ser artista. Prefiro pensar que sou arteira. Acho que me deixa mais perto daquela criança que amava brincar e fazer arte. Pra mim, arte não passa de uma brincadeira, já pensou levar isso a sério demais?


Por outro lado, entendo que no fundo no fundo, sou artista também. Todo mundo é. Nossa alma é artística, Deus é um artista.


O estado da arte é o estado inerente em toda a criação; aliás aí está, CRIAÇÃO. Arte é o dom de criar coisas boas e coisas belas, de fazer algo de bom com o coração. Além das esculturas, das pinturas, da dança, do teatro, do cinema e qualquer outra arte formal, tudo que criamos, de coração, é arte. Alguém que massageia é um artista. Alguém que planta é. Alguém que cuida. Alguém que se permite ser cuidad@. Um abraço dado com carinho. Um olhar dado com amor. Uma fala dita com verdade. Uma escuta feita com empatia. Tudo a que nos dedicamos com o coração vira arte. E não precisa ser visto por todo mundo. Não precisa necessariamente ter estética pré estabelecida. Não precisa ser a ou b. A arte é o estado interno do nosso coração. Nossa criança vibra quando olhamos a vida como uma grande arte a ser construída e vivida! Vivificamos essa criança quando por trás de tudo - bote aí dores, incertezas, alegrias, carinhos, etc - olhamos pelos olhos dessa criança e ela diz "Uau!!! Olha tudo isso que estamos vivendo!! Olha isso tudo que estamos aprendendo, olha que legal!!!". Ela não diz que uma tristeza é melhor que uma alegria. Ela se empolga por crescer e aprender com ambas. Ela é feliz porque ela confia e sabe que tudo o que vier, vai nos fazer sermos pessoas incríveis um dia. Assim como ela não termina um desenho e fala "que lixo, eu não sirvo pra isso", ela só fica em paz com aquilo que ela criou - e doa pra alguém com o maior amor. Arte é isso. É fazer, viver e doar.


Deveríamos viver em estado de arte, viver em estado de alegria (não confundir com euforia) por saber que no fundo, tudo aquilo que vivemos vai construir alguém de quem poderemos nos orgulhar. Em algum lugar, um estado primordial talvez, existe uma essência que nos olha dessa maneira e que não vê a hora de despontar e mostrar que aqui e agora podemos buscar olhar assim também.


*Texto por Flávia Soares, escrito em 2019.


0 visualização0 comentário

© 2020 por Surya Ateliê. Orgulhosamente criado com Wix.com

0